O exercício da transformação

Depois de um finde mara na praia de Salinas, claro que rolou aquela vontade de uns 10 dias a mais. Mas, ao contrário, passei por uma daquelas segundas-feiras que fazia tempo que não vivia. Chamei de segunda maluca. Além de tudo que aconteceu, foram aparecendo várias coisinhas pequeninas para resolver. Exercitei minha mente para ficar bem. Não consegui fazer tudo que precisava na Maria Xica. Ainda assim, para a minha alegria, o movis na loja foi super bom. E como é bom começar a semana com visitas queridas. Foi o que na verdade me manteve bem nesse dia maluco. Já no final…estava com aquela dor de cabeça. Só queria minha cama, meu quarto, minha Lilika.

Porém, tinha meu encontro no Leve, com a nutri Flávia e as meninas do grupo. Era meu compromisso. Já tinha faltado na semana anterior, devido ao trabalho. Liguei para Flávia com aquela voz, tipo, não vou, estou mal. Ela sequer deu brecha para as minhas explicações. – O que tu estás fazendo que não estás vindo para cá? Segui resmungando em vão. – Então tá, Oti, estou te esperando. Ou seja, não tive alternativa e fui.Vesti meu look fitness – pois vou na pernada – e foi a melhor coisa do dia. A dor de cabeça passou, tirei dúvidas, verifiquei que emagreci 200 gramas (é pouco mas considero positivo), aprendi coisas novas. Sem contar que a noite estava especial para caminhar.

Cheguei tão bem em casa que, hoje, logo cedo, mandei e-mail para Flávia agradecendo. A resposta? Não poderia ser mais motivadora. “Bom que viesse, Oti. No exercício de prestar atenção em si, se conhecer, é que vamos aprendendo a se cuidar e a dar respostas certas ao que o corpo e a cabeça necessitam. Assim, passamos a discriminar fome e vontade de comer e também as outras sensações como sono, tristeza, medo, alegria, ansiedade. Ontem, sair do estress e vir falar e se cuidar, te tirou do foco, te fez relaxar e se cuidar”. Ter gente que torce pela gente é bom demais. E quando se busca por mudanças, encontrar um profissional assim, mais do que fundamental, é uma benção. Obrigada, Flávia!